49ª SESSÃO SOLENE

14 DE SETEMBRO DE 2009

049ª SESSÃO SOLENE EM COMEMORAÇÃO AOS “99 ANOS DO SPORT CLUB CORINTHIANS PAULISTA”

…O SR. DONISETE BRAGA – PT – Boa noite a toda nação corinthiana aqui presente. Quero cumprimentar e saudar o Deputado Conte Lopes, nosso Presidente; cumprimentar o Deputado Said Mourad pela brilhante iniciativa, saudar o meu Presidente do Corinthians Andrés Sanchez, e em nome dele cumprimentar todos os presentes aqui neste evento simbólico marcante nesta noite. Em nome da Sra. Marlene Matheus quero cumprimentar todas as mulheres corinthianas do nosso Brasil e as mulheres corinthianas aqui presentes nesta noite.

Eu fiz questão de homenagear o jornalista tão conceituado do nosso rádio brasileiro, o nosso professor Heródoto Barbeiro não só porque também é do rádio, mas quando a nação corinthiana não pode pagar os ingressos para ver o time jogar, ela escuta. E sem dúvida alguma não só porque o Heródoto é um grande corinthiano, grande jornalista e grande corinthiano, mas também simbolicamente o rádio representa a emoção do futebol pois muitas pessoas muitas vezes não podem estar no estádio de futebol.

Como bem falou aqui o Deputado João Caramez, nem todos nascem corinthianos, mas eu nasci corinthiano. Com 10 anos de idade, no dia 13 de outubro de 1977, o padre José Mahon na minha cidade de Mauá, um padre corinthiano fechou a paróquia e convidou toda a comunidade para assistir a final depois de 22 anos oito meses e seis dias de um grande jejum corinthiano. Então, para mim, aquela noite foi marcante, e é por isso que eu me tornei corinthiano. Quero agradecer não só o padre José Mahon por ter me induzido, e hoje é motivo pra mim de muita honra ser corinthiano, mas quero ler aqui um trecho da fala do Basílio que naquela noite fez o gol depois de 22 anos de história de um jejum: “A terceira partida do Paulistão de 77 foi a melhor que nós fizemos no campeonato. Jogamos determinados, fomos pacientes, e também atrevidos, tanto que mesmo precisando do empate fomos para cima da Ponte Preta. No primeiro tempo merecíamos ter feito um, dois ou três gols. Na segunda etapa o jogo ficou equilibrado até o gol. O lance saiu de uma bola parada, e eu depois do bate e rebate fiz o gol de direita e corri para a galera. Após o jogo queríamos dar a volta olímpica, mas foi impossível, pouco importa, o que valeu mesmo foi a festa e o fim do jejum. Basílio”. (Palmas.)

Eu quero entregar aqui para o Heródoto o certificado em mãos, os 23 anos em sete segundos.

Andrés, eu estou trazendo para o Heródoto uma camisa de treino para que ele possa jogar no nosso time de veteranos, master do Corinthians. Muito obrigado pela sua presença aqui. (Palmas.)

Fonte: Portal da ALESP – Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

Celebração de aniversário

Padre Mahon e Padre Félix – Festa realizada na Paróquia São Geraldo Magella
Santo André, São Paulo – Brasil
22 de Maio de 2011

Celebração de ação de graças pelos 60 anos de ordenação sacerdotal do Padre José Mahon fc e o duplo nascimento do Padre Félix Manoel dos Santos fc, para a Vida há 46 anos e para a Igreja, há 12 anos A festa contou com a presença de Dom Angélico Sândalo, bispo emérito, vários padres e o povo de Deus. Um dia inesquecível!

Padre José Mahon é homenageado

Vídeo de Homenagem ao Padre José Mahon fc!

Câmara Municipal de Santo André, São Paulo – Brasil

Pois claro que é Padre Zé! Neste vídeo temos a Homenagem aos 60 anos de sacerdócio do Pe. José Mahon fc e do Cinquentário da Congregação Filhos da Caridade no Brasil – 11 de maio de 2011! Desfrutem!

Uma grande festa de confraternização entre grandes amigos. Assim pode ser descrita a Sessão Solene realizada nesta quarta-feira, 11 de maio, em comemoração ao Jubileu de
Diamante Sacerdotal (60 anos) do padre José Mahon e aos 50 anos da chegada ao Brasil dos Filhos da Caridade O Padre José João Maria Rogério Mahon, mais conhecido como Padre Mahon, veio para o Brasil em 1961, vindo a se dedicar prioritariamente aos setores pobres e necessitados de Santo André.
Ao longo de sua história de luta e resistência popular, construiu em Santo André um precioso trabalho religioso e social, prestigiado por todos.
Em 23 de setembro de 1998, recebeu desta Câmara Municipal o Título de Cidadão Andreense.
Para o vereador Tiago Nogueira, autor da iniciativa, “a sessão foi um sucesso, trata-se de uma pequena homenagem a grande trajetória e obra de José Mahon e dos Filhos da Caridade, 50 anos de Brasil desse que já é um cidadão Brasileiro de coração e Andreense de opção com titulo dado pelo nosso companheiro Carlinhos Augusto.
Muitas lembranças, Pe Alfredinho, Dom Jorge Marcos, Philadelfo Braz, Celso Daniel e algumas lutas como da Moradia no Centreville, Alzira Franco, Maronitas, Jd Santo André entre outras, a luta pelo transporte coletivo de qualidade, apoio aos trabalhadores em greve, o combate a ditadura militar e tudo isso com muita tranquilidade, persistência e amor, tudo isso é a expressão desse que é um dos nossos e sem dúvida ainda tem muito para nos ensinar.
Agradeço a todos pela presença, aos companheiros e companheiras que ajudaram na organização ao companheiro Vilson, Rafael e Elisete Barbosa pela brlhante apresentação
musical e ao Arlindo que de improvisso deu um show.
Temos muito ainda a fazer e o exemplo do padre José Mahon deve ser nossa inspiração sempre ao lado dos pobres e da classe trabalhadora. E para isso que fizemos o PT”.

Fonte: Portal do vereador Tiago Nogueira – Qui, 12 de Maio de 2011 21:56

Homenagem ao padre Mahon

NA CAMARA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE – SÃO PAULO – BRASIL

Uma grande festa de confraternização entre grandes amigos. Assim pode ser descrita a Sessão Solene realizada nesta quarta-feira, 11 de maio, em comemoração ao Jubileu de Diamante Sacerdotal (60 anos) do padre José Mahon e aos 50 anos da chegada ao Brasil dos Filhos da Caridade.
O Padre José João Maria Rogério Mahon, mais conhecido como Padre Mahon, veio para o Brasil em 1961, vindo a se dedicar prioritariamente aos setores pobres e necessitados de Santo André.
Ao longo de sua história de luta e resistência popular, construiu em Santo André um precioso trabalho religioso e social, prestigiado por todos.
Em 23 de setembro de 1998, recebeu desta Câmara Municipal o Título de Cidadão Andreense.
Para o vereador Tiago Nogueira, autor da iniciativa, “a sessão foi um sucesso, trata-se de uma pequena homenagem a grande trajetória e obra de José Mahon e dos Filhos da Caridade, 50 anos de Brasil desse que já é um cidadão Brasileiro de coração e Andreense de opção com titulo dado pelo nosso companheiro Carlinhos Augusto.
Muitas lembranças, Pe Alfredinho, Dom Jorge Marcos, Philadelfo Braz, Celso Daniel e algumas lutas como da Moradia no Centreville, Alzira Franco, Maronitas, Jd Santo André entre outras, a luta pelo transporte coletivo de qualidade, apoio aos trabalhadores em greve, o combate a ditadura militar e tudo isso com muita tranquilidade, persistência e amor, tudo isso é a expressão desse que é um dos nossos e sem dúvida ainda tem muito para nos ensinar. Agradeço a todos pela presença, aos companheiros e companheiras que ajudaram na organização ao companheiro Vilson, Rafael e Elisete Barbosa pela brlhante apresentação musical e ao Arlindo que de improvisso deu um show.
Temos muito ainda a fazer e o exemplo do padre José Mahon deve ser nossa inspiração sempre ao lado dos pobres e da classe trabalhadora. E para isso que fizemos o PT (Partido dos Trabalhadores)”.

Fonte: Vereador do PT da cidade de Santo André.

História do Centreville

Falta de adaptação levou ocupantes embora

Padre José Mahon, 84 anos, acompanha a história do Centreville desde o início. Ele estava junto com os moradores dois dias após a invasão, e nunca mais saiu.

Mahon lembra que a ocupação aconteceu em dois momentos: 16 de julho de 1982 e 11 de fevereiro de 1983. Sempre ao lado dos ocupantes, ele explica por que restam poucas pessoas no Centreville que participaram da ocupação. “Todas as pessoas saíram de favelas e por vários motivos não se adaptaram às grandes casas do conjunto”, comentou.

No começo da ocupação, todos estavam empolgados com o tamanho das residências. Aos poucos, foram percebendo que manter um casarão não era fácil. “Aquelas pessoas estavam acostumadas aos pequenos barracos, portanto, uma vez dentro das mansões, deixavam muitos cômodos desocupados”, relembra o padre. Os espaços vazios eram vendidos ou alugados. E quando a situação financeira apertava, as famílias voltavam para as favelas.

“Elas aceitavam qualquer dinheiro para deixar as casas. A mudança era rápida: enquanto uma família estava saindo, a outra estava com as coisas na porta da residência. Assim, não corriam o risco de outros ocupantes tomarem a casa”, explica o religioso.

Dessa forma, o bairro passou a acomodar famílias de classe média. A maioria das pessoas que lutou pela ocupação abandonou ou vendeu as casas.

Até mesmo a antiga sede da associação de moradores foi alugada para gente de fora. “Cheguei neste mês de Garanhuns (Pernambuco) e vou tentar a vida em São Paulo”, explica dona Maria Aparecida de Andrade Oliveira, 44. Ela, que paga R$ 400 por mês pelo imóvel, posa na porta de casa, sem saber o significado das inscrições na parede.

Padre Mahon toma conta da Capela Nossa Senhora da Esperança, construída no centro do Centreville.

Fonte: Centreville caminha para a regularização,
por Renan Fonseca, do Diário do Grande ABC

Síntese da história da ACB

A história da ACB – Associação Comunitária do Barreiro começa em Dezembro de 2005, quando o padre José Mahon, conhecido por ajudar os mais humildes, foi confrontado com inúmeros pedidos de ajuda alimentar, a que não conseguia dar resposta.
Muitas pessoas tinham deixado de receber ajuda da Segurança Social – Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados (PCAAC) através da Caritas da Paróquia de Sta. Maria do Barreiro e, confrontadas com o aumento de despesas e a diminuição dos rendimentos, bateram à porta do padre José Mahon, na Igreja de Santa Cruz do Barreiro. Este, sensibilizado e preocupado, por ninguém ter tomado a iniciativa de apoiar estas famílias, estabeleceu de imediato contactos e procurou soluções.

Começou por constituir, na igreja de Santa Cruz, um Grupo de Trabalho para tentar minimizar o impacto da situação, com o apoio do Grupo Sócio-Caritativo de Solidariedade da paróquia, que nessa ocasião estava envolvido na campanha do Cabaz de Natal. Devido a essa sobrecarga, foi proposto ao João Martins um trabalho de desenvolvimento comunitário mais abrangente, que prontamente manifestou disponibilidade e, sob a orientação do padre José Mahon, arrancou para esse desafio.

Começaram por solicitar informações à paróquia de Sta. Maria, com respostas muitíssimo positivas, por parte do Sr. Frederico Pinto e do Sr. António Margalhau.
Após uma análise dos elementos cedidos, o novo Grupo de Trabalho optou pela criação de uma equipa específica para desenvolver este novo projecto, constituída pelos seguintes elementos:
Maria de Lurdes Tavares Marques de Almeida Ramião,
Maria Antónia da Silva Carapinha,
Piedade Maria Cláudio,
João Manuel Gonçalves Martins,
Octávio Cardoso Lopes,
Mário Francisco Gonçalves.

Na segunda fase foram integrados na equipa três novos elementos:
Augusto Henrique Caseiro,
Maria da Conceição Soares Gago,
João Manuel Eusébio Lopes de Sousa.

Era chegado o tempo de iniciar o apoio às famílias carenciadas e conhecer melhor a situação no terreno. Com esse objectivo, o João Martins acompanhado pelo Octávio Lopes e, posteriormente, pelo Mário Gonçalves, foram junto das pessoas mais necessitadas, primeiro no Bairro das Palmeiras, mais tarde no Barreiro Velho e noutras freguesias do concelho, até mesmo na Baixa da Banheira. Contaram sempre com o precioso apoio da Maria de Lurdes e da Maria Antónia, que conheciam bem essa realidade.
Ao ver em primeira mão como a pobreza, doença, baixos rendimentos, desemprego, precariedade do trabalho e habitação, afectam as pessoas e a sua comunidade, tornou-se rapidamente evidente que havia muito trabalho a fazer.

As Famílias/Indivíduos mais carenciadas foram identificadas por nós, nessa pesquisa porta a porta, e foi criada uma base de dados sobre as famílias necessitadas. Após a referenciação das pessoas que compunham o agregado familiar e a recolha de todos os documentos, fomos fazendo a sua inscrição para beneficiários na Segurança Social, via PCAAC, em Setúbal. Simultaneamente íamos dando conhecimento das aprovações ao Banco Alimentar Contra a Fome de Setúbal, na sua sede em Palmela. Desta forma, fomos trabalhando passo a passo, resolvendo as situações mais críticas, já com a distribuição gratuita de bens alimentares.

Considerando os resultados, da reunião com o Prof. Eugénio da Fonseca, presidente da Cáritas Portuguesa, na sede da Cáritas Diocesana de Setúbal em 16FEV2006, e de várias reuniões com o padre José Manuel Andrade, na Reitoria de N.ª Senhora do Rosário (embora temporariamente tenhamos utilizado um anexo da igreja de N.ª Senhora do Rosário, em trabalhos de secretariado), por indiscutível falta de apoio, a equipa resolve reflectir sobre o assunto.

Atendendo a que o Projecto de Ajuda Alimentar a Carenciados mobilizava meios que a paróquia de Santa Cruz não tinha condições para nos disponibilizar, concluímos que só havia um caminho a seguir, conseguir a autonomia do CENTRO DE APOIO ALIMENTAR.
Apostámos no que tínhamos, na força dum trabalho de equipa e na intercedência da Maria de Lurdes junto do padre José Mahon, que acabou por admitir a possibilidade de autonomizar o Centro de Apoio Alimentar, numa futura Associação Comunitária, caso as metas que traçou fossem atingidas. Essas metas foram sendo ultrapassadas e foi com grande entusiasmo que, em 31AGO2006, o Mário Gonçalves conseguiu que o novo pároco lhe entregasse o documento que permitiu dar continuidade ao nosso trabalho e legalizar a Associação Comunitária do Barreiro, junto da Segurança Social e do Banco Alimentar.

Apesar de ter aumentado significativamente o número de beneficiários aprovados, continuamos, no dia-a-dia, a ser confrontados com novos pedidos de ajuda, inclusivamente da Cidade Sol – Santo António da Charneca, daí o João Martins e o padre José Luís Moreira Santos, pároco de Palhais/S. António, terem reunido algumas vezes, para futura colaboração. Salientamos o apoio do Exmo. Sr. Eng.º Luís Tavares, membro do Conselho de Administração da Quimiparque, do Exmo. Sr. Carlos Humberto, presidente da Câmara Municipal do Barreiro, e do Exmo. Sr. Hélder Madeira, presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, assim como, a valiosa colaboração do Exmo. Sr. Albino Lopes, presidente da Lopes & Marques, Exmo. Sr. Raul Malacão, presidente da Junta de Freguesia do Barreiro e da Exma. Sra. D. Alexandra Silvestre, presidente da Junta de Freguesia da Verderena, na cedência de viaturas para levantarmos, nos armazéns de Palmela, os bens essenciais que o Banco Alimentar nos entrega.

Com esta estratégia de apoios, fomos conseguindo contornar os obstáculos seguindo em frente com a criação da ACB – Associação Comunitária do Barreiro. Já foi emitido o Cartão Provisório de Identificação de Pessoa Colectiva N.º P507841808 e iniciámos, agora, a adaptação do anteprojecto dos nossos estatutos, para estatuto de IPSS, para sermos reconhecidos como Instituição Particular de Solidariedade Social, sem fins lucrativos, agradecendo a orientação da FRATER, da CSSA e da CATICA.

Vamos continuar a trabalhar para encontrar alternativas e garantir a continuidade do projecto. No presente, o mais importante é garantir a viabilização das despesas fixas mensais. Com este propósito a Maria de Lurdes e o João Martins reuniram com a Direcção do Rotary Club do Barreiro, para oficializar o pedido de um contributo para pagamento de parte da renda da nossa sede, na Rua da União, número dezasseis (Parque Industrial do Barreiro).

Com um elevado número de beneficiários a passarem por enormes dificuldades, serão necessários mais apoios, para procurarmos novos equipamentos. Pois, precisamos de arranjar urgentemente uma câmara frigorífica de conservação e, futuramente, uma viatura, para podermos em proximidade responder aos problemas que vão surgindo no concelho.

Como prometido é devido…, sinto que, neste início de 2007, me devo afastar de determinadas coisas, para que novas coisas possam acontecer. É a hora do João Martins sair!

Para finalizar, desejo que a futura Direcção da ACB venha a eleger como primeiro Sócio Honorário, o padre José João Maria Rogério Mahon, mais conhecido como padre José Mahon, pois ele merece receber tal honra!
Embora nem sempre tenhamos estado de acordo em algumas questões, cedo entendi quanto o padre José Mahon era imprescindível.
Com o seu exemplo de entrega, de partilha e de permanente disponibilidade, aprendi o que é o espírito de amor ao próximo.

Um HOMEM profundamente solidário, de atitudes, cuja serenidade contagiava.

A minha admiração e agradecimento face à sua capacidade de trabalho, conhecimento e, sobretudo, o perfil humano, vão muito para além destas palavras. Foi efectivamente um privilégio ter sido seu colaborador neste projecto!

Tudo começa com um sonho… Obrigado a todos, indiscriminadamente, que conviveram comigo nesta dura, porém profícua e enriquecedora caminhada e que de maneira directa ou indirecta contribuíram para a afirmação da ACB – Associação Comunitária do Barreiro!

Padre José Mahon

OBRA SOCIAL em PORTUGAL do padre operário José João Maria Rogério Mahon, mais conhecido entre nós, como padre Zé, o padre Francês. Um HOMEM de fortes convicções, profundamente solidário, que não passa pela vida.

O padre José Mahon, dedicou 9 anos da sua vida ao Barreiro (ex-pároco da Paróquia de Santa Cruz). O seu nome ficará para sempre ligado ao BARREIRO e indelevelmente à gente do BAIRRO DAS PALMEIRAS e à ACB – ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA DO BARREIRO, que ajudou a criar e autonomizar.

Les Fils de la charité

No final deste ano (2006), obedecendo às ordens superiores da sua Congregação Les Fils de la Charité, regressou ao Brasil.

Vista aérea do Barreiro - Portugal

Vista aérea do Barreiro – Portugal

Abraço de despedida

O Bispo de Setúbal, esteve esta manhã, na Igreja Paroquial de Santa Cruz, no Barreiro, onde participou na celebração da última missa do Padre José Mahon, em terras lusitanas.

Igreja de Santa Cruz, BarreiroEstá de partida para o Brasil, que o irá acolher, de novo, de braços abertos!

“As duas coisas infinitas: o Universo e a tolice dos homens.”
(Albert Einstein)

Ajuda Alimentar a Carenciados

Anteprojecto de AJUDA ALIMENTAR A CARENCIADOS

Introdução

Constatando que no arranque de algumas acções de solidariedade, por vezes, verificam-se egoísmos e interesses individualistas, que acabam por prejudicar o avanço dos projectos. Nesta iniciativa, não há espaço para a demissão de funções, para o autismo social, para o egoísmo galopante que nos afasta do que realmente é importante: O HOMEM.
Esta nossa posição de liderança, não é mais que o esforço por criar uma nova atitude; não para vaidade pessoal ou só para dar nas vistas.

Devemos sonhar com um mundo mais fraterno, mais justo e humano

Considerando o slogan: “Todos diferentes, todos iguais“, vale a pena trabalhar por sectores da população local mais carenciados e desfavorecidos, de forma a minorar o seu sofrimento e a sua dor.

Deste modo, é urgente que a sociedade, no seu todo, encontre caminhos e soluções para as calamidades da sociedade contemporânea; tendo sempre como prioritário o carenciado e desfavorecido como pessoa, como ser humano.

Consciente de que os problemas sociais não serão resolvidos exclusivamente pela autarquia, é com prazer e orgulho que a paróquia de Santa Cruz promove e apoia iniciativas concretas de intervenção, de modo a beneficiar o maior número de pessoas, e sobretudo as mais carenciadas.
Procuraremos trabalhar sempre com mais qualidade, para que possamos desmentir esta arrepiante constatação: “Quanto mais pobre, menos gente é“.

O anteprojecto que se segue reflecte as nossas preocupações, diante de um dos grandes problemas do nosso tempo: a minimização das desigualdades sociais e económicas (no seio da população da freguesia do Barreiro).

*********** * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * ***********

Anteprojecto de AJUDA ALIMENTAR A CARENCIADOS

A paróquia de Santa Cruz em articulação com a Segurança Social, o Banco Alimentar Contra a Fome e a ? Cáritas Diocesana de Setúbal ?, deverá concretizar enquanto entidade mediadora, o programa de distribuição de ajuda alimentar gratuita a famílias e pessoas carenciadas, na área da freguesia do Barreiro, com base nos acordos.

APRESENTAÇÃO
Unidos pelos Pobres” – é o lema por que vimos pautando a nossa actuação.

DESTINATÁRIOS
As famílias e as pessoas mais carenciadas residentes na freguesia do Barreiro.

Famílias Residentes / Pessoas
1ª. Fase
Número de Pessoas Apoiadas: 43 famílias (8 S/docs – 35 Processadas);
Abrangência Territorial: Bairro das Palmeiras.

2ª. Fase
Número de Pessoas Apoiadas: 71 famílias (17 S/docs – 54 Processadas);
Abrangência Territorial: Restante área da freguesia.

BENEFICIÁRIOS
Os critérios de elegibilidade são definidos pela Segurança Social e são os seguintes:
Famílias / Pessoas
As mais carenciadas por:
– Baixo rendimento do agregado familiar;
– Desemprego prolongado;
– Situações de prisão, morte, doença, separação e abandono;
– Pensionistas do regime não contributivo;
– Número de pessoas do agregado familiar;
– Situações de catástrofe.

OBJECTIVOS
Apoiar as famílias e as pessoas mais carenciadas na satisfação das suas necessidades básicas.

FUNCIONAMENTO
Distribuição mensal de “Géneros Alimentícios“ de acordo com a composição do agregado familiar.

REGIME DA AJUDA
A ajuda alimentar aos mais carenciados, consiste no fornecimento de géneros alimentícios existentes no ? armazém ? do Centro de Apoio Alimentar e na sua distribuição às pessoas mais necessitadas, após a sua transformação e/ou acondicionamento.
Estas receberão os géneros alimentícios gratuitamente, sendo a distribuição efectuada de acordo com um Plano estabelecido pela Segurança Social, com base nos acordos.

ESTRUTURAS
Atendendo a que a fraternidade funciona como um propulsor da solidariedade, para atingir mais facilmente os nossos fins, deveremos organizar-nos ao nível da paróquia de Santa Cruz como Centro de Apoio Alimentar (a filiar nas IPSS – Instituições Particulares de Solidariedade Social).

Ao Centro de Apoio Alimentar competirá organizar e coordenar as manifestações de solidariedade e de responder às situações de carência emergentes que ocorrem no seio de famílias e/ou pessoas em situação de pobreza ou exclusão social, na freguesia do Barreiro, em coordenação com as estruturas da Segurança Social e de todas as entidades mobilizadas para a solidariedade.

Neste âmbito deveremos programar as seguintes acções:
– Participação no estudo e avaliação socio-económica dos agregados, de acordo com as orientações da Segurança Social, para selecção das famílias a serem abrangidas pelo Programa Alimentar e efectuar as respectivas listagens;
– Organizar e manter actualizado o ficheiro das famílias incluídas no programa;
– Proceder à recepção dos géneros e providenciar pelo seu armazenamento;
– Elaborar e enviar convocatórias, bem como proceder à distribuição dos géneros alimentares;
– Efectuar controle de stocks e preencher os respectivos mapas;
– Compilar todos os formulários, organizar dossier de todo o processo e proceder à avaliação do programa alimentar na área da freguesia do Barreiro (Paróquia de Santa Cruz).

O projecto de AJUDA ALIMENTAR A CARENCIADOS deverá ter a seguinte estrutura:
a) Centro de Apoio Alimentar;
b) Grupos de Trabalho;
c) Secretariado.

Dos GRUPOS DE TRABALHO
COMPOSIÇÃO
1 – Os Grupos de Trabalho são constituídos no Centro de Apoio Alimentar, e fazem parte da sua composição as pessoas que se disponibilizarem nas igrejas da paróquia (Santa Cruz / ? Nossa Senhora do Rosário ?).
2 – Os Grupos de Trabalho são constituídos para execução de acções concretas, emissão de pareceres, recomendações, propostas e estudos sobre temas considerados de interesse para o desenvolvimento deste projecto.
COMPETÊNCIAS
Os Grupos de Trabalho são espaços de reflexão sobre questões específicas, dinamização de acções concretas e de elaboração de propostas.
FUNCIONAMENTO
1 – A periodicidade de reunião dos Grupos de Trabalho é a seguinte:
a) Reuniões ordinárias – uma vez por mês;
b) Reuniões extraordinárias – sempre que o coordenador do anteprojecto considerar necessário;
c) Em cada reunião dos Grupos de Trabalho é elaborada a lista das pessoas presentes.
2 – Os Grupos de Trabalho devem comunicar ao Centro de Apoio Alimentar os resultados dos seus trabalhos, as conclusões a que chegaram, bem como as actividades que pensam levar a efeito.

Do SECRETARIADO
COMPOSIÇÃO
O Secretariado deverá dispor de recursos humanos e materiais adequados ao desenrolar das actividades previstas e a definir pelo Centro de Apoio Alimentar.
COMPETÊNCIAS
O Secretariado deverá assessorar o Centro de Apoio Alimentar nas componentes técnica e administrativa.
FUNCIONAMENTO
O Secretariado funcionará nas instalações do Centro de Apoio Alimentar.

FINS ESTATUTÁRIOS
– Promover e contribuir para a protecção e apoio aos grupos da população local mais carenciados e desfavorecidos, no que se refere ao apoio em géneros;
– Proporcionar formação específica para o desempenho social;
– Promover Actividades de Apoio à Infância e Juventude.

ACTIVIDADES | VALÊNCIAS
Programa de Apoio Alimentar a Carenciados;
Distribuição de géneros alimentícios;
Distribuição de vestuário;
Apoio diverso à população desfavorecida;
Ateliers artísticos;
Organização de actividades de carácter lúdico e recreativo;
Dinamização de projectos de intervenção comunitária;
Promoção de encontros de formação e reflexão.

PROJECTOS
Ajuda Alimentar a Carenciados;
– Criação do Centro de Apoio Alimentar na Freguesia do Barreiro;
– Criação de um Espaço Artístico.

ÁREAS DE INTERVENÇÃO
RENDIMENTO SOCIAL DE INSERÇÃO:
– Encaminhamento de casos.

OUTRAS ACTIVIDADES:
– Organização do “CABAZ de NATAL”;
– Promoção de passeios e outras actividades lúdicas e recreativas para os idosos e crianças da freguesia;
– Organização de diversas Acções de Formação e Colóquios.

< < < < < < < > > > > > > >

Projecto de Ajuda Alimentar a Carenciados
Entidades que apoiam o projecto:
Banco Alimentar Contra a Fome de Setúbal
Segurança Social – Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados

Padre José João Maria Rogério Mahon [Pároco de Santa Cruz]
Grupo Sócio-Caritativo de Solidariedade da Paróquia de Santa Cruz

Entidades a envolver no projecto:
QUIMIPARQUE – Parques Empresariais, SA
Eng.º Luís Tavares [Membro do Conselho de Administração]
Morada: Parque Empresarial do Barreiro
2831-904 Barreiro

Câmara Municipal do Barreiro
Presidente: Carlos Humberto Carvalho [Câmara Municipal do Barreiro]
Presidente: Hélder da Silva Nobre Madeira [Assembleia Municipal do Barreiro]
Vereadora: ? Regina Janeiro ? [Assuntos Sociais]
Morada: Rua Miguel Bombarda
2830-355 Barreiro

Junta da Freguesia do Barreiro
Presidente: Raul António Nunes Malacão
Morada: Rua José Elias Garcia, N.º 33 – 1.º
2830-349 Barreiro

* * * * * * * *

? Cáritas Diocesana de Setúbal ?
Presidente: Prof. Eugénio José da Cruz Fonseca
Morada: Centro Social S. Francisco Xavier
Praça Teófilo Braga,13
2900-647 Setúbal

Igrejas da Diocese de Setúbal:
Igreja Paroquial de Santa Cruz
Padre José João Maria Rogério Mahon [Pároco]
Morada: Praça de Santa Cruz, 65
2830-323 Barreiro

? Igreja de Nossa Senhora do Rosário ?
Padre José Manuel Pereira de Andrade [Reitor]
Morada: Rua Almirante Reis, 3
2830-326 Barreiro

««««  »»»»

CENTRO DE APOIO ALIMENTAR
Projecto de Ajuda Alimentar a Carenciados

Anteprojecto de AJUDA ALIMENTAR A CARENCIADOS
Autor: João Manuel Gonçalves Martins [Co-coordenador]

Barreiro, 08 de Janeiro de 2006