Passado histórico do Barreiro

Resumo
A investigação sobre o passado histórico do Barreiro tem revelado inúmeros factos desconhecidos.

Um dos arquivos mais produtivos tem sido o vasto conjunto do Cartório da Ordem de Santiago, de que o Barreiro foi uma comenda importante.

O culto de Nossa Senhora do Rosário, considerado tradicionalmente como tendo vindo para o Barreiro em 1736, revelou-se, graças a estas investigações, muito mais antigo.

Já em 1524 existia uma imagem da Virgem do Rosário na Igreja Matriz do Barreiro, e em 1606 foi aqui legalizada uma Confraria do Rosário, cuja existência informal deve ser bastante anterior. Esta irmandade da Igreja Matriz iria subsistir por bastantes séculos, embora com pouca actividade no século XIX, em que seria extinta.

Em 1736 foi, de facto, sediada no Barreiro uma segunda confraria, A Real Irmandade dos Escravos de Nossa Senhora do Rosário do Barreiro, que tomou conta da antiga Ermida de S. Pedro dos Pescadores, que por sua vez tinha sido de S. Roque, na praia do Barreiro.

Nos finais do século XVIII foi ampliada e transformada no actual Santuário de Nossa Senhora do Rosário do Barreiro, que ainda hoje se mantém vivo e activo, bem como a Real Irmandade.

Esta segunda confraria, aqui estabelecida em 1736, parece ser a continuadora directa da Irmandade do Rosário do Convento de S. Domingos, em Lisboa, a mais antiga destas confrarias conhecida em todo o mundo.

Esta foi constituída no último quartel do século XV, pretendendo contribuir para uma maior evangelização dos escravos negros, que nessa altura começaram a ser introduzidos em grande quantidade em Portugal, como um dos corolários da expansão portuguesa no mundo.

Numerosas confrarias do Rosário se estabeleceram depois pelo país e nos territórios controlados pelos portugueses, com destaque para o Brasil.

A Real Irmandade de Nossa Senhora do Rosário do Barreiro gozou de larga protecção da Casa Real Portuguesa, e foi promotora, durante quase duzentos anos, de um concorrido Círio, que trazia a imagem da Virgem de Lisboa, em procissão fluvial. Durante alguns dias havia também festa religiosa e um …

>> Saiba mais

Fonte: Publicado em Simetrikus , de Simetrikus – Investigador, em 29.03.2011.