Uma História uma Vocação 3

TERRA DE SANTA CRUZ ESCOLHIDO POR DEUS – PARTE 3
POR QUE O BRASIL FOI ESCOLHIDO?

Em 1961, um dos responsáveis da Congregação: o padre Joseph Bouchaud resolveu vir ao Brasil para estudar as possibilidades da implantação de nossa congregação religiosa. Ele chegou à Manaus no dia 29 de junho na festa de São Pedro e prosseguiu viagem: Belém, Fortaleza, Recife, Salvador e, em cada lugar os padres respondiam a Joseph Bouchaud: “A sua missão só pode ser em São Paulo: é a região de grande crescimento industrial”.

Após conhecer o Rio de Janeiro, Joseph Bouchaud chega a São Paulo e marca uma entrevista em Santo André com Dom Jorge Marcos de Oliveira (primeiro bispo diocesano de Santo André). O Superior dos Filhos da Caridade explicou o motivo da visita e Dom Jorge exclamou: ”É Deus que te envia: minha diocese cresce muito, tem cada vez mais fábricas, mais famílias que vêm de todo lugar: Nordeste, Bahia, Minas e não tenho padres para atender o povo nosso que é muito religioso: venham na minha diocese que os acolherei de braços abertos: precisávamos de padres com este carisma: servir os trabalhadores”.

Ao final de julho, o padre José Bouchaud volta à França e pede a um padre que acabava de mudar de paróquia para que ele viesse ao Brasil para estudar as possibilidades e foi assim que o padre João Le Berre veio morar em Santo André, ajudando Monsenhor Cavalcante na paróquia de São Judas Tadeu. Em conversa com Dom Jorge, foi decidido que os primeiros padres que chegassem, atuariam na paróquia de Santa Terezinha no bairro de Utinga, porque o padre que atendia nesta paróquia iria voltar à Itália.

E foi assim que a Congregação mandou os dois primeiros padres: Pedro Jourdanne e José Mahon, que desembarcaram em São Paulo no dia 1º de dezembro de 1961.

Os religiosos foram acolhidos por um frei dominicano “João Batista” que tinha montado uma fábrica comunitária de móveis no bairro de Ipiranga, situada à Rua Vergueiro. Com a chegada dos religiosos franceses surge a primeira necessidade: aprender a falar português, tarefa nada fácil, mas uma religiosa idosa do colégio de Sião em São Paulo (irmã Nímia) se prontificou em ensinar a língua portuguesa aos 2 padres que chegavam.

PARTE 4