Vocação Marítima do Barreiro

Localizado na margem sul da Área Metropolitana de Lisboa, à beira Tejo, o concelho do Barreiro manteve, desde sempre, uma forte ligação às actividades ribeirinhas. O seu topónimo, desde logo, faz uma clara alusão ao local onde os primeiros “barreirenses”, pescadores oriundos do Algarve, exerciam a sua profissão: na barra do Porto de Lisboa.
A existência de infra-estruturas de produção como o Complexo Real de Vale de Zebro (sécs. XV a XIX), o Estaleiro Naval da Telha (finais do séc. XV) e o Forno Cerâmico da Mata da Machada (sécs. XV / XVI), constitui um testemunho da importância estratégica que o Barreiro deteve durante o período dos Descobrimentos Portugueses.

Gerido directamente pela Coroa, o Complexo Real de Vale de Zebro era constituído por 27 fornos de cozer biscoito, armazéns de trigo, cais de embarque e um moinho de maré de 8 moendas – o Moinho D’el Rei, o maior da região, além de vastas áreas de pinhal circundante. A sua instalação deve remontar ao reinado de D. Afonso V e era comparável a um outro existente em Lisboa, os Fornos da Porta da Cruz. Em conjunto, constituíam as duas unidades régias que asseguravam o fabrico de todo o biscoito necessário aos empreendimentos marítimos da expansão e dos Descobrimentos.
Ao nível local, o Complexo de Vale de Zebro influenciou positivamente Palhais, contribuindo para o seu desenvolvimento, atraindo uma elite de funcionários da Coroa, como Almoxarifes, Feitores, Escrivães, Mestres do Biscoito, Biscouteiros, etc.

Por outro lado, estas actividades exigiam grandes quantitativos de mão-de-obra. Nesse contexto, a Coroa recorreu à importação de escravos, empregues quer no Complexo Real, quer como escravos domésticos nas casas senhoriais. Em 1553, a quantidade de escravos era tal que existia na Igreja de Nª Sª da Graça uma «Confraria do Rosário dos Homens Pretos». Com o Terramoto de 1755, Vale de Zebro ficou praticamente destruído e todo o Complexo foi reedificado. São do período pombalino a fachada principal e as galerias de fornos no interior.
A Escola de Fuzileiros Navais, ali instalada desde 1961, consagrou uma parte do edifício ao Museu do Fuzileiro, onde apresenta uma colecção de objectos sobre a história e a evolução dos Fuzileiros em Portugal.

As actividades ligadas à construção naval, nas margens do Rio Coina, são tradicionalmente associadas à época da Expansão Portuguesa. Contudo, é de crer que, numa região onde abundava a madeira, tivessem anteriormente existido diversos estaleiros que asseguravam a construção das embarcações de pesca e de tráfego local.
A existência de um Arsenal de Marinha no lugar da Telha deve remontar ao século XV. Porém, é no século XVI e principalmente no século XVII – altura em que este estaleiro laborou activamente para a reconstrução da Marinha portuguesa, destruída após a queda da Invencível Armada – que ganha maior notoriedade.

Abrigada das tempestades de Inverno, a Feitoria da Telha, como também era designado este estaleiro, permitia a conclusão das embarcações, iniciadas no Verão na Ribeira das Naus de Lisboa, que, por estar muito exposta às invernias, impossibilitava a laboração nesta altura do ano. Das praias da Telha saíram muitos navios para as viagens dos Descobrimento e nos seus areais eram enterradas as madeiras, preparando-as assim para a construção naval. Actualmente, no local do antigo estaleiro funciona uma indústria de preparação de bacalhau, já centenária no concelho (1891), a Bensaúde SA.

O Forno de Cerâmica da Mata da Machada apresenta uma cronologia entre 1450 e 1530. Faz parte de uma olaria da qual apenas foi escavado um forno na década de 80 e situa-se em plena Mata Nacional da Machada. A sua localização explica-se pela grande abundância de lenha, combustível necessário ao funcionamento dos fornos, e pela existência de matéria-prima no local: a argila.
O espólio cerâmico proveniente da escavação desta olaria divide-se em duas grandes tipologias: louça de uso caseiro e peças de uso industrial.
Na primeira categoria integram-se as panelas, candeias, malgas, tigelas, escudelas, copos, pratos, caçoilas e peças de armazenamento de maiores dimensões como cântaros, alguidares, talhas e potes. Também se fabricavam telhas e tijolos para a construção.
A segunda categoria de peças é maioritariamente composta por um tipo de artefacto industrial: as Formas de Purga do Açúcar, ou “Pão de Açúcar”, a peça mais fabricada neste forno e destinada aos engenhos açucareiros insulares.
Nesta olaria foi descoberta ainda uma tipologia cerâmica, identificada na época como “forma de biscoito”, a qual serviria para fabrico deste produto nos fornos de Vale de Zebro. Em estudos recentes admite-se ter funções completamente distintas destas. As peças consistem em placas de barro de forma circular, com dimensões diversas. Tais artefactos constituiriam utensílios de olaria denominados “Pratos de Torno”, sobre os quais o oleiro fazia as peças e transportava-as para o local de seca, antes de entrarem no forno e serem cozidas.

Fonte: AML ESTUARIUM – NÚMERO 14, 2006.